Home / Sacramentos / Penitência

Penitência

Sacramento da Reconciliação ou Confissão

Reconciliação com Deus e com a Igreja
Porque o pecado é ofensa a Deus, que quebra a amizade com Ele,
a penitência «tem como último objetivo fazer que amemos a Deus e a Ele inteiramente nos entreguemos».
O pecador que, por graça de Deus misericordioso, entra pelo caminho da penitência, regressa ao Pai que «primeiro nos amou» (1
Jo 4, 19), a Cristo que Se entregou por nós e ao Espírito Santo que sobre nós foi derramado abundantemente.
Mas «por insondável mistério de bondade, Deus dispôs que os homens estivessem unidos entre si por sobrenatural e necessária ligação em virtude da qual o pecado de um prejudica também os outros, como também a santidade de um beneficia os restantes»,28 e assim a penitência traz sempre consigo a reconciliação com os irmãos, a quem o pecado constantemente prejudica.

O sacramento da Penitência e seus elementos O discípulo de Cristo que, depois do pecado, movido pelo Espírito Santo, se aproxima do sacramento da Penitência deve, antes de mais, converter-se a Deus de todo o coração. Esta conversão interior do coração, que engloba a contrição do pecado e o propósito de nova vida, exprime-se pela confissão feita à Igreja, pela conveniente satisfação e pela emenda de vida. Deus, por seu lado, dá o perdão dos pecados por meio da Igreja, que atua pelo ministério dos sacerdotes.

A contrição
Entre os atos do penitente, ocupa o primeiro lugar a contrição que «é uma dor da alma e uma detestação do pecado cometido, com o propósito de não pecar mais no futuro». Na verdade, «só podemos ter acesso ao reino de Cristo pela ‘metánoia’, isto é, a mudança interior do homem todo, pela qual ele começa a pensar, a julgar e a dispor a sua vida, impelido pela santidade e caridade de Deus, que se manifestaram nos últimos tempos no Filho e nos foram plenamente comunicadas (cf. Hebr 1, 2; Col 1, 19, e passim; Ef 1, 23 e passim)».
É desta contrição do coração que depende a verdade da penitência. A conversão deve tocar o homem por dentro, para o iluminar sempre mais profundamente e o tornar cada vez mais conforme a Cristo.

A confissão
A confissão das culpas faz parte do sacramento da Penitência; procede do verdadeiro conhecimento de si mesmo diante de Deus e da contrição dos pecados. Todavia, este perscrutar íntimo do coração e a acusação exterior devem ser feitos à luz da misericórdia de Deus. A confissão exige no penitente a vontade de abrir o seu coração ao ministro de Deus, em ordem ao juízo espiritual, por meio do qual ele, agindo na pessoa de Cristo, pronuncia, em razão do poder das chaves, a sentença de remissão ou de retenção dos pecados.

A satisfação
A verdadeira conversão completa-se pela satisfação das culpas, pela emenda de vida e ainda pela reparação dos danos.33 As obras e a medida da satisfação devem ser adequadas a cada penitente, de modo que cada um repare a ordem que lesou e, consoante a doença de que sofreu, seja curado com o remédio contrário. É, por isso, necessário que a pena seja realmente remédio do pecado e renove de algum modo a vida. Assim, o penitente, «esquecendo o que fica para trás» (Filip 3, 13), insere-se de novo no mistério da salvação e projecta-se para o futuro.

A absolvição
Ao pecador, que manifestou ao ministro da Igreja a sua conversão na confissão sacramental, Deus concede o seu perdão pelo sinal da absolvição e assim se perfaz o sacramento da Penitência. Segundo a economia de Deus, em virtude da qual a bondade e o amor de Deus nosso Salvador se manifestaram visivelmente aos homens,34 Deus quer dar-nos a salvação e renovar outra vez a aliança quebrada, por meio de sinais visíveis.
Através do sacramento da Penitência, o Pai recebe o filho que volta para Si, Cristo toma aos ombros e reconduz ao redil a ovelha perdida e o Espírito Santo de novo santifica e habita mais plenamente o seu templo. Tudo isto é finalmente manifestado pela participação renovada ou mais fervorosa na mesa do Senhor. Nesta participação, por ocasião do regresso do filho que volta de longe, há grande alegria no banquete da Igreja de Deus.

Fonte:
Ritual da Penitência